Unidade de Gestão e Formação

Procure seu curso:

Pós-Graduação

Extensão

Presencial | A Distância

0300 10 10 10 1
Busca Rápida

A Surdez e a Língua Brasileira de Sinais

11/05/2012

A Surdez e a Língua Brasileira de Sinais

No último dia 24 de abril a Comunidade Surda comemorou 10 anos da lei 10.436, que reconhece a LIBRAS como a língua oficial desta mesma comunidade.
Além desta lei, o Decreto Federal nº 5.626 de 2005 também beneficia os surdos, no que tange à Educação Bilíngue onde, a Língua Brasileira de Sinais é a primeira língua e a Língua Portuguesa, na modalidade escrita, a segunda.

A LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais é uma língua de modalidade visual-espacial, que possui regras próprias como: um canal de comunicação gestual que impreterivelmente deve ser acompanhado pelas expressões faciais e corporais, além de outros parâmetros.

Por ter a perda auditiva, os surdos compreendem e interagem com o mundo através da visão e sua expressão se dá na modalidade gestual. Ao nascer surdo ou tornar-se surdo no período pré-linguístico, este sujeito passa a utilizar o canal visual e gestual como seus meios expressivos, suprindo assim a falta dos meios auditivo e oral para sua comunicação.

Para a maior parte dos surdos, não existe o sentimento de falta da audição ou a necessidade de que esta deficiência seja reparada de alguma forma. Não existe a necessidade de começar ou voltar a ouvir.

Portanto, com base nesta peculiaridade, podemos afirmar que o sujeito surdo é considerado diferente e não deficiente em relação aos ouvintes.
Desta forma, como em tantas outras culturas, os membros da Comunidade Surda têm valores, crenças, comportamentos, bem como uma língua diferenciada daquela usada pela sociedade majoritária.

Como parte desta cultura, podemos nos ater a alguns aspectos característicos como: a perda auditiva que, porém, não é imprescindível; a participação assídua em escolas de surdos, festas, associações e eventos típicos da comunidade surda, como os encontros em shoppings; a postura política frente aos assuntos relacionados aos surdos e, por fim, o uso e fluência da língua de sinais, que norteia e embasa tal cultura.

Nas interações entre sujeitos surdos ou mesmo entre surdos e ouvintes existem algumas características interessantes. Primeiramente apresenta-se a pessoa pelo seu sinal pessoal e depois seu nome é soletrado. O sinal pessoal é atribuído somente pelos surdos, como se fosse um batismo. Não necessariamente o seu sinal pessoal está relacionado com a primeira letra do seu nome.

Este sinal pode ter como referência: a aparência física da pessoa, o uso constante de objetos como óculos, pulseiras, etc.; um comportamento constante como mexer nos cabelos, assim como também algo que a pessoa goste de fazer. Para esta última atribuição é necessário um contato mais prolongado com a pessoa a quem se vai batizar.

Atualmente existem diversos materiais e cursos direcionados ao aprendizado da LIBRAS. Cabe-nos entender que, para melhor atendermos esta parcela da sociedade, precisamos estar devidamente preparados, apresentando fluência em sua língua, bem como conhecimento e entendimento de sua cultura diferenciada.
Desta forma, como podemos notar, a Comunidade Surda é dotada de uma diversidade e riqueza cultural que estão acessíveis àqueles que demonstrarem interesse e empenho em conhecê-los em sua essência, com o coração e mente abertos para o lindo mundo dos surdos!

Veja as informações sobre o : Curso Básico de Libras




» Todas as notícias




Cursos por Cidade






Nuvem de Tags

Gama Social - Redes Sociais Phorte TV
Unidade de Gestão e Formação |
| .Contato: academico@posugf.com.br