Unidade de Gestão e Formação

Procure seu curso:

Pós-Graduação

Extensão

Presencial | A Distância

0300 10 10 10 1
Busca Rápida

Os tendões - por Milena Dutra

05/09/2011

Os tendões - por Milena Dutra


Os tendões são estruturas fibrosas, com pouca vascularização (recebem pouco aporte sanguíneo), que têm como principal função transmitir a força gerada pelos músculos aos ossos, determinando os movimentos do nosso corpo. As tendinites podem ser denominadas como a inflamação de algum tendão.

Diversas são as causas que podem gerar um processo inflamatório sobre o tendão. Podemos citar: falta de alongamento e flexibilidade de algum grupo muscular, falta de aquecimento antes de atividades esportivas, excesso de movimentos repetitivos, sobrecarga dos treinamentos, excessivo manuseio de carga e calçado inadequado.

O diagnóstico é realizado através das queixas do atleta/paciente/aluno, o qual refere dor ao movimento. O professor deve avaliar o segmento acometido através da palpação do local da dor e observar presença de calor e rubor (vermelhidão) no local. Vale a pena orientar a realização de exames de ultra-som e/ou ressonância magnética por um especialista médico.

 

Entre as tendinites mais comuns, podemos citar:

Tendinite dos flexores do punho - Conhecida como cotovelo de golfista ou epicondilite medial, acomete os tendões flexores do punho, gera dor na face medial (interna) do cotovelo e piora na pronação do antebraço.

Tendinite dos extensores do punho - Conhecida como cotovelo de tenista ou epicondilite lateral, acomete os tendões extensores do punho, gera dor na face lateral (externa) do cotovelo e piora na supinação do antebraço. As epicondilites podem aparecer em qualquer idade, mas é mais comum entre os 40- 50 anos e aparece não só em atletas, mas também em pessoas que utilizam muito a articulação do cotovelo, como cabeleireiros, cozinheiros, pintores até donas de casa.

Tendinite de Calcâneo (Aquiles) - Também conhecida como tendinite de Aquiles, é a lesão inflamatória mais comum entre os corredores e acomete o tendão dos músculos da panturrilha (tríceps sural). As dores se localizam na região posterior do calcanhar. Essa lesão pode ocorrer por insuficiência e/ou desequilíbrio muscular da panturrilha, excesso e/ou aumento da carga de treinamento e uso de calçados inadequados para o esporte. Calçados sem elevação do calcanhar podem gerar esse tipo de tendinite.

Tendinite Patelar - Lesão conhecida como tendinite do saltador, acometia atletas de vôlei e basquete, porém, nos últimos anos vem aumentando o número de corredores com esse tipo de lesão. Afeta o tendão do músculo anterior da coxa (quadríceps) e as dores são localizadas bem abaixo do osso patelar. Esse tipo de lesão pode ocorrer por movimentos repetitivos, excesso de treinamento e desequilíbrio dos músculos da coxa. Pode também estar associada com desalinhamento dos membros inferiores, como joelho valgo, quadris largos (principalmente em mulheres) e pé plano (chato), que pode gerar um desalinhamento patelar e, assim, um desarranjo no mecanismo extensor do joelho, evoluindo para condromalácea.

 

CUIDADO: Não entenda mal. Não é que a tendinite evolui para condromalácea, e sim são problemas que podem acontecer concomitantemente, principalmente em pessoas que apresentam aumento da obliquidade femural e desvios angulares do joelho.

Existem inúmeras tendinites... em outros posts, listaremos mais algumas.

É importante realizar fisioterapia. O tratamento tem início cerca de 3 a 7 dias após a consulta e a prescrição médica de anti-inflamatórios. O Fisioterapeuta inicialmente realiza tratamento analgésico e anti-inflamatório com recursos de eletroterapia e após a cessão da dor e do processo inflamatório, começa a segunda etapa do tratamento, que visa o reequilíbrio muscular (alongamentos e fortalecimentos).

 

IMPORTANTE: durante a fase de administração da medicação, é necessário cessar a atividade que gera dor, ou seja, deve-se respeitar um período de repouso relativo sem movimentação da estrutura inflamada por uma semana.

O objetivo geral da reabilitação é corrigir possíveis alterações posturais e passar orientações sobre calçados mais adequados, se necessário, assim como restaurar a resistência muscular do segmento para que o mesmo suporte as cargas externas e melhor as distribua.

Se você não respeitar essas fases, uma simples tendinite pode evoluir para uma tendinose, tendinopatia (condição de degeneração do tendão) e até rotura parcial ou total do tendão. Se este último acontecer, a única solução é a intervenção cirúrgica.

 

Prevenção: é possível realizar trabalhos preventivos com finalidade de evitar tendinites e outras lesões. O Fisioterapeuta e o Educador Físico têm condições de implantar séries de alongamentos e fortalecimentos de forma periódica, bem como atuar na orientação sobre calçados e correções posturais.

Dica: Se você já apresentou caso anterior de tendinite ou tem dores nas regiões distais dos músculos próximos às articulações, procure um profissional especializado (Médico, Fisioterapeuta e/ou Educador Físico) para o correto diagnóstico e tratamento, pois só assim você terá condições de continuar sua prática esportiva e suas atividades diárias com segurança.

 

Então, não se esqueça:

- Retire da atividade física o local afetado e pare de realizar o movimento que gere dor por 7 dias. Se não conseguir, diminua ao máximo.

- Use gelo diariamente por 25 minutos no local afetado nos primeiros 2 dias.

- Não realize fortalecimento e alongamento durante o processo de reparação ou enquanto tiver dor. Espere o processo inflamatório ceder e procure um profissional para lhe ajudar na reabilitação.

- Respeite o uso de anti-inflamatórios (conforme indicação médica).

- Respeite a imobilização e, em alguns casos, a reparação cirúrgica.

- Busque identificar a causa: patologias associadas, mecanismo esportivo, má postura em atividades diárias, lesão por esforço repetitivo, entre outras.

 

Cuide-se!




» Todas as notícias

Notícias Relacionadas






Cursos por Cidade






Nuvem de Tags

Gama Social - Redes Sociais Phorte TV
Unidade de Gestão e Formação |
| .Contato: academico@posugf.com.br