Unidade de Gestão e Formação

Procure seu curso:

Pós-Graduação

Extensão

Presencial | A Distância

0300 10 10 10 1
Busca Rápida

A MARCHA DO IDOSO - Por Prof. Dr. Newton Nunes

20/09/2011

A MARCHA DO IDOSO - Por Prof. Dr. Newton Nunes

A queda é apontada como sendo o fator mais comum e mais sério de lesões em idosos, onde somente 2 % delas ocorrem devido à fratura no quadril, mas 90% das fraturas no quadril são provocadas pelas quedas e a maioria destas ocorre durante a locomoção.  As quedas são responsáveis pela segunda causa de morte por lesão em idosos entre 75 e 84 anos e a primeira daqueles com mais de 85 anos.

Aproximadamente 20% dos casos ocorreram após escorregarem em pisos lisos e outros 20% após tropeçarem em algum obstáculo. Os restantes 60% foram atribuídos a fatores intrínsecos, como falha no sistema vestibular, alteração na propriocepção, hipotensão postural, arritmia, problemas estes que surgem com o avanço da idade. Apesar disso, dois terços dos sujeitos relatavam percepção individual de saúde de boa a excelente.

A diminuição da força dos membros inferiores, diminuição da velocidade dos passos, dores provenientes de artrose do quadril, são identificados como fatores de risco para quedas.

As alterações que ocorrem no padrão de marcha são apontadas como um dos motivos que provoca a queda. Uma das alterações é a diminuição da velocidade de marcha em relação ao jovem, onde os passos são mais curtos e o tempo de duplo apoio aumenta, buscando-se maior estabilidade, porém paradoxalmente, esta estratégia está relacionada a indivíduos com maior risco de queda.  A diminuição da velocidade da marcha também está associada ao avanço da idade e diversos são os fatores que podem explicar este comportamento, como a busca de estabilidade do corpo , diminuição na flexibilidade das articulações, principalmente do tornozelo, joelho e quadril, alterações na propriocepção, mudança das capacidades sensório-motoras .

      A projeção do tronco à frente, a qual está associada a alterações de parâmetros espaciais e temporais, gerando instabilidade e provocando um balanço alterado do tronco no sentido antero-posterior,  é apontada como outro fator que altera o padrão de marcha em idosos.

O indivíduo idoso apresenta maior aceleração horizontal da cabeça, transformando-a numa plataforma menos estável para o sistema visual. A velocidade de contato do calcanhar é maior que no adulto jovem, havendo redução do poder de absorção mecânica no joelho, além da ativação dos isquiotibiais ser tardia, aumentando o risco de deslize e queda.  Ocorre também diminuição do comprimento do passo, aumento do tempo na fase de apoios simples e duplo, ocorrendo menor força propulsiva na fase de impulsão, o que faze o idoso buscar um padrão de marcha mais seguro.

Tentando aumentar a estabilidade o indivíduo aumenta também a largura de seus passos, com o objetivo de diminuir a oscilação lateral do tronco que também ocorre nesta população e aumenta a dificuldade para transpor obstáculos .

As estratégias de iniciação da marcha, isto é a transição da posição estática para a dinâmica,  compararam este momento entre idosos e adultos jovens.  Verificou-se que a pré-ativação da musculatura que envolve o tornozelo foi significativamente menor nos idosos em relação aos jovens. Este é um momento que reflete a capacidade de o organismo prever as mudanças posturais necessárias para avançar o corpo e continuar o movimento. Este atraso na pré-ativação aumenta o risco de quedas e a ocorrência de marcha ineficiente.

A atividade física com o objetivo de reduzir problemas na marcha de idosos, diminuindo o risco de queda é efetiva  diminuindo significativamente sua incidência, evitando lesões limitadoras.

Por Prof. Dr. Newton Nunes www.areadetreino.com.br




» Todas as notícias

Cursos Relacionados



Notícias Relacionadas






Cursos por Cidade






Nuvem de Tags

Gama Social - Redes Sociais Phorte TV
Unidade de Gestão e Formação |
| .Contato: academico@posugf.com.br